Em comunicado à imprensa, os moradores do vilarejo de Santo André, no sul da Bahia, afirmaram que são contrários à realização de festas de Réveillon no destino. O Conselho de Turismo de Santa Cruz Cabrália informou que as secretarias de Saúde e de Meio Ambiente da cidade não autorizaram a realização das festas.

Ainda segundo a associação, a agência MC Connections continua com a proposta em campanhas nas redes sociais, vendendo ingressos para um projeto que envolve seis festas na virada do ano.
“Do jeito que anda o movimento do vírus, creio que o bom senso manda continuar neste clima.
 
E com a comunidade unida de uma forma jamais vista, acredito que vamos mais do que vencer o vírus. Vamos nos livrar do que pode ser um grande problema para os moradores e turistas que amam e respeitam a vila”, disse a moradora e vice-presidente do Conselho de Turismo de Santa Cruz Cabrália, Lea Penteado. “Um projeto com intenção de aglomerar 800 pessoas em seis dias de festa em tempos de distanciamento, é uma insanidade”, completou.

Em abril, a comunidade local angariou quase R$ 40 mil que foram entregues, durante seis meses, em cestas básicas aos trabalhadores da praia que ficaram sem os turistas que normalmente chegam em escunas e chalanas.

A Vila de Santo André está localizada em uma área de proteção ambiental. A APA Santo Antônio percorre 23 mil hectares na faixa litorânea dos municípios de Santa Cruz Cabrália e Belmonte, entre a foz do rio João de Tiba e a foz do rio Jequitinhonha, e tem o objetivo de garantir a preservação dos recursos naturais.

OUTRO LADO

A equipe do Réveillon da Vila, responsável pelo evento no destino, disse que seguirá todos os protocolos de saúde estabelecido pelas autoridades locais -- clique aqui e veja a resposta da empresa na íntegra.