Moradores de Santo André e Belmonte tiveram dificuldades para chegar à Santa Cruz Cabrália nesta terça-feira, 18/08/20. Ao chegarem no píer das balsas para atravessarem o rio João de Tiba, eles tiveram que esperar pela única embarcação disponível. Uma ambulância com dois pacientes de atendimento de urgência teve que esperar para fazer a travessia.

“Uma vergonha! Em plena pandemia, a empresa operando com uma balsa só! Um descaso! E chegou uma ambulância com um paciente com a perna quebrada e uma gestante com dores de parto”, disse Mirian Silva, moradora de Santo André. Ela afirmou que a balsa das dez horas saiu cinco minutos antes do horário.

De acordo com Cristiane Viana, funcionária da Santa Cruz Transporte, empresa que presta o serviço de travessia, normalmente, duas balsas fazem o trabalho de transporte de passageiros. Mas, neste dia, pela manhã, uma delas apresentou problemas e precisou passar por manutenção. “A segunda balsa voltou a funcionar a partir de meio-dia”, disse. A funcionária da empresa afirmou ainda que, das 6h até às 17h30, o horário de viagem das balsas é de meia em meia hora. E após este horário, de hora em hora.

A ocorrência levantou uma reivindicação de moradores de Santo André, segundo Mirian: “a gente solicita, enquanto cidadão de bem, que o serviço deixe uma balsa para passageiros e a outra para ambulância, porque neste momento de pandemia, é importante que a pessoa tenha possibilidade de chegar até Porto Seguro, onde tem um hospital regional com mais capacidade de atendimento, porque, infelizmente, todos os hospitais dos municípios da costa, de Belmonte até Cabrália, não têm condições de receber nem para fazer um parto”.

jornaldosol/cabralianoticia