Em mais um ano de enfrentamento ao Covid-19 e a todas as medidas que devem ser impostas para conter a disseminação do vírus, a Primeira Missa do Brasil foi novamente celebrada em formato virtual. Realizada na Igreja Sagrada Família em Coroa Vermelha.
A missa contou com um público restrito formado de autoridades paroquiais da região, representantes de comunidades indígenas bem como a Secretária Doutora Magali, representando a gestão do Prefeito Agnelo e o Cacique Gui Pataxó representando a Câmara de Vereadores.

A missa foi iniciada com um breve momento de reflexão sobre a história de fé da diocese de Eunápolis, em seguida foi dado inicio a celebração da missa feita pelo Arcebispo Dom José Edson que saudou a todos em especial aqueles que acompanhavam o momento pelas redes sociais.  Em  sua fala o Bispo ressaltou a importância de pregar o evangelho e do momento histórico de celebração da caminhada da fé cristã católica no país.

“Hoje celebramos uma data histórica marcante para nossa caminhada de igreja, de fé nessa região. Mas, antes de 1500 outro grande fato que aconteceu e marcou a história da humanidade que chegou até nós foi a ressureição de Jesus. Um povo que não vive sua história não pode fazer história. Desconhecer a história do passado é não saber viver o presente e tão pouco se projetar o futuro. Hoje agradecemos a Deus de sermos herdeiros da fé cristã católica, se somos cristão católicos, até os que deixaram a igreja continuam lavados e remidos pelo sangue de Jesus mediante a essa primeira missa, o anuncio do primeiro evangelho aqui nessas terras. Eis porque o Brasil é tão acolhedor, porque escutaram pelo anuncio do evangelho. Esse evangelho foi impregnando em nossa cultura e chegou até nós”, disse Arcebispo Dom José Edson.

A  Primeira Missa celebrada no Brasil ocorreu no dia 26 de abril de 1500, num banco de coral na praia de Coroa Vermelha, em Santa Cruz Cabrália, no litoral sul da Bahia. E como de costume a réplica desta celebração histórica acontece todos os anos no Ilhéu de Coroa Vermelha, porém, em mais um ano de pandemia que o país enfrenta os 521 anos de Evangelização no Brasil, ocorreu novamente de uma maneira diferente das anteriores, que eram sempre marcados pela grande multidão de fieis.

O prefeito Agnelo Santos não participou da celebração, pois conforme foi divulgado em nota a nossa equipe, o mesmo se encontra mais uma vez com suspeita de Covid-19.

“Os 521 anos de Evangelização no Brasil é uma data de grande relevância histórico cultural e religiosa para o nosso município. E pelo segundo ano devido à pandemia do coronavírus este momento não pode ser celebrado da maneira grandiosa e calorosa como sempre aconteceu. Mas, a fé  e a esperança em Deus nos faz crer que isso vai acabar e assim, poderemos nos unirmos novamente para celebrar essa data tão importante para nosso povo” disse Agnelo Santos a nossa redação.