Para alguns, os dias aflitos de pandemia da Covid-19 parecem longos demais; para outros, tudo está passando muito rápido. Devagar ou rapidamente, o fato é que estamos nos aproximando do período das convenções – entre 31 de agosto e 16 de setembro, quando os partidos serão obrigados a resolver se lançam candidatos próprios, se firmam coligações ou se ficam de fora das eleições. Falta menos de dois meses.
 
Por enquanto, a conjuntura pré-eleitoral é feita de personagens que se autointitulam “pré-candidatos” – seja a prefeito, a vice-prefeito e a vereador. É uma condição levemente confortável, porque muitos assumem as tais pré-candidaturas sem muitos compromissos firmados, porque, até o prazo final das convenções, muita coisa pode mudar.
 
Foi assim no passado, não será diferente no presente. O medo do tal novo coronavírus não altera determinadas práticas.