Quando tratamos sobre política ou sobre futebol, sabemos que estamos lidando com duas paixões. Da mesma forma que os torcedores amam o time de futebol favorito como, por exemplo, o Flamengo, Vasco, Corinthians, dentre outros, também o militante defende incondicionalmente seu partido político, e candidato escolhido.
 
Em ambos os casos vemos paixões que m o cidadão pelo o esporte e pela politica. Tanto para assistir a um jogo, como para acompanhar um ato político, ou alguma manifestação pública.
O exemplo vem da grande final da Copa do Mundo de 1994, entre Brasil e Itália. Um jogo que me leva a uma reflexão sobre o resultado de sexta-feira (27), a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que deferiu o registro de candidatura como o prefeito eleito em Santa Cruz Cabrália, na Costa do Descobrimento.
 
O jogo teve o primeiro e o segundo tempo desfavorável àquele que o povo escolheu nas urnas para governar a prefeitura de Cabrália, pelos os próximos quatro anos.
 
Devemos lembrar que a conquista do tetracampeonato veio em um jogo que o Brasil tinha o mais importante no estádio… A torcida ao seu lado!
Agnelo foi eleito pela maioria do povo em Cabrália, e disto devemos aceitar e respeitar a soberania popular!
 
Detalhes desta partida não podem ficar por despercebido… Durante todo o jogo o Brasil foi sempre superior à Itália. Eu nunca vi um Brasileiro fugir da luta na primeira derrota.
 
Valem ressaltar que as partidas de futebol são divididas em dois tempos de 45 minutos. É bem verdade que estes dois tempos passaram, entrou na fase da prorrogação.
 
Embora essas decisões sempre na maioria das vezes são decididas nos pênaltis, quando não é decidida na prorrogação. E aqui pra gente… Eu ainda nem falei da decisão do VAR.
 
Por fim
 
O prefeito eleito Agnelo continua na frente na vontade popular, e com a bola cheia, com a maior torcida a seu favor. Portanto, o jogo acabou na prorrogação com a vitória de Agnelo Santos!
 
Nota do Site: O VAR tem por objetivo ajudar o árbitro central, no campo de jogo, a tomar decisão em lances considerados duvidosos”.