Foto: Divulgação

 

 

Duas organizações não-governamentais apresentaram documentos que, segundo as organizações, evidenciam terrenos ilegais e abusos dos direitos humanos por parte de uma grande corporação. Na quarta-feira, uma organização não-governamental Amigos da Terra e Amigos da Terra, as ONGs protestaram contra a reunião da Stora Enso da empresa da indústria florestal no hotel de Helsinque e acusaram a empresa de violações no Brasil.

 

As ONGs apareceram na reunião com documentos envolvendo reclamações e processos judiciais sobre aquisição ilegal de terras no Brasil . Eles acusam a Veracel, empresa de propriedade da Stora Enso, de terrenos ilegais e violações de direitos humanos . ONGs informaram o evento . Havia Amigos dos direitos à terra da Terra - e o grupo florestal, bem como representantes dos amigos Sem Terra.

 

O representante da mídia na Finlândia, Satu Härkönen, comenta a Iltalehti que os representantes das organizações chegaram ao saguão do hotel antes do início da reunião. - Eles acenaram com esse tipo de panfletos e falaram . Foi um momento muito curto e depois eles foram embora, diz Härkönen.

 

Os jornais deixaram os documentos para a Assembléia Geral Anual - Estamos investigando o assunto agora . Nós não temos nenhuma informação de que algo novo aconteceu.

 

Crítica antes

 

As organizações alegam que os documentos indicam que a Veracel é acusada de propriedade ilegal de países pertencentes a produtores privados na produção de madeira . Segundo as organizações, o Estado da Bahia está buscando indenização pela aquisição equivocada da Veracel.

 

Amigos dos direitos da Terra terra - ea floresta um grupo de amigos e a liberação dos Sem Terra exigente de Stora Enso é tomar medidas imediatas para pôr termo às violações do direito à maakaappausten e sua função - áreas . Além disso, as organizações exigem que a empresa prossiga suas atividades em integridade, responsabilidade e ética em relação às pessoas e ao meio ambiente.

 

O uso da terra da Stora Enso e outras atividades foram duramente criticadas . Por exemplo, a Veracel era suspeita de suborno e lavagem de dinheiro no Brasil em 2009. A dissertaçãode doutorado de Susanna Myllyla publicada em 2015 afirma que a Stora Enso está batendo os direitos dos povos indígenas no Brasil . A empresa aumenta os resultados da pesquisa.

 

 

A empresa também foi orientada a dar generosas quantias para financiamento eleitoral à políticos brasileiros.

 

A reportagem do Imprensananet.com tentou contato com a assessoria de imprensa da Veracel, através da Srª Bárbara no número 73 98828-0921, entretanto não obtivemos sucesso. A fim de garantir à empresa o seu amplo direto de questionamento, deixamos aqui espaço disponível para que seja apresentada suas alegações sobre as referidas acusações.

 

 

 

Fonte: Site Iltalehti.