Em resposta aos ataques sofridos na data de hoje, pela mesma imprensa suja e manipuladora que vem me agredindo, que veiculou de forma a atuar com o objetivo claro difamatório contra mim e a minha família, INFORMO que essas pessoas visam apenas “POLITICAGEM”, não pensando no bem da nossa comunidade que precisa estar unida e fortalecida visando a efetividade dos nossos direitos. Diante disto, venho, NOVAMENTE, em respeito à minha comunidade, a todo o povo indígena do Estado da Bahia e toda a população que confia em mim, esclarecer os seguintes pontos:
 
1º) em nenhum momento fui procurado pelo site que afirmou que tentou contato comigo para que eu pudesse ter o direito de resposta. Que desde a primeira reportagem caluniosa contra a minha pessoa tento contato com eles, mas o site é CLANDESTINO. Oportuno pontuar que, já foi movido PROCESSO JUDICIAL contra o referido site (desde a primeira reportagem), porém o site é sem procedência, nem mesmo a JUSTIÇA através de buscas oficiais conseguiu qualquer informação sobre a procedência do site em questão. Que NINGUÉM se apresenta como o responsável pelo referido site ou pelas reportagens.  Ou seja, o site foi criado com o baixo propósito de desmoralizar as pessoas e sem dar a elas o direito a resposta.
 
2º) diz o site que contra mim há uma condenação de detenção (por anos), no entanto, tal informação é SEM VALOR, tanto é que NUNCA fui PRESO sequer por 01 (um) único dia. Não sou foragido da justiça, não frequento FÓRUM para assinar absolutamente NADA e sempre busco a JUSTIÇA para a resolução de qualquer conflito. Aponta-se ainda que, novamente, venho divulgar TODAS as minhas certidões provando que NADA CONSTA contra a minha pessoa.
 
3º) insta salientar que a lei nº. Lei nº 9.099 de 26 de setembro de1995 diz em seu artigo 3º que é de competência do “Juizado Especial Cível” a conciliação, processo e julgamento das causas cíveis de menor complexidade. Também diz a referida Lei em seu artigo 54 que “oacesso ao Juizado Especial independerá, em primeiro grau de jurisdição, do pagamento de custas, taxas ou despesas”. Ou seja, que o acesso ao “Juizado Especial Cível” é gratuito.
DESTE MODO, NÃO SENDO SEQUER NECESSÁRIO PEDIDO DE JUSTIÇA GRATUITA, no presente momento.
 
No entanto, tal pedido foi feito, de forma preventiva, tendo em vista que caso o que entendo ser meu direito não seja deferido em sentença, eu venha a recorrer da decisão, com os benefícios da justiça gratuita. Pois, é o que dita a referida lei em seu artigo 54, Parágrafo único, senão vejamos: “O preparo do recurso, na forma do § 1º do art. 42 desta Lei, compreenderá todas as despesas processuais, inclusive aquelas dispensadas em primeiro grau de jurisdição, ressalvada a hipótese de assistência judiciária gratuita”.
 
Portanto, apenas se for preciso, ou seja, se eu não concordar com a sentença judicial e optar por apresentar recurso, que precisarei do benefício da justiça gratuita (que pode ou não ser concedida pelo MM. juiz). 
 
Outrossim, a justiça gratuita não é requerida APENAS por quem é miserável, mas, também por aqueles que no momento que necessitam da intervenção judicial não tenham como pagar pelas custas de um processo. Tal direito é assegurado pela Constituição Federal em seu artigo 5º, XXXV que diz: “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça de direito.” 
 
Importante frisar que, caso for necessário, realmente precisarei do benefício da gratuidade da justiça (ou então, não poderei recorrer (se necessário for), pois não terei coragem de retirar o alimento da  boca de minha família), tendo em vista que sou o arrimo familiar e que tenho dívidas e despesas financeiras a serem honradas mensalmente.
 
Ainda ressalto que sou cacique da Aldeia de Coroa Vermelha, mas que apesar de acharem que um cacique recebe algum dinheiro por isso, não recebo sequer R$:1,00 (Hum Real). Que viajo para diversos locais, tanto no Estado como fora dele, em busca do melhor para a minha comunidade. No entanto, na grande maioria das vezes, todos os gastos dessas viagens são suportados por mim (gasolina, alimentação, hospedagem). Mas, existem vezes que, por total falta de condições financeiras acabo estacionando o meu carro num posto de gasolina qualquer para descansar, durmo no carro e tomo banho em banheiro de posto de gasolina.
 
Não tenho vergonha de expor as condições que vivo e de muitas das minhas viagens, pois sempre foi em busca do melhor para o meu povo. Eu NUNCA fugi de minhas obrigações, fui EU que entrei com a ação em desfavor da FUNAI e não o contrário. Por fim, sobre a multa administrativa exposta na maliciosa reportagem, paguei 14 (quatorze) de 15 (quinze) parcelas, não paguei a última, pois apesar das várias tentativas, não obtive do órgão responsável pela emissão a derradeira guia para pagamento.
 
Eu não sou rico e não me envergonho disso, pois sou homem trabalhador e luto pela dignidade do meu povo. Registra-se, sem fazer mal ou retirar nada de NINGUÉM.
 
Informações sobre o currículo de Zeca Pataxó
 
ZECA PATAXÓ ficou a frente do núcleo de Apoio Local da Funai (Fundação Nacional do Índio) de Porto Seguro/BA, entre o período de 2003 a 2008, tendo sido consagrado publicamente como um dos melhores administradores da FUNAI no Brasil, através do “Instituto Brasileiro de Pesquisa e Opinião Pública”;
 
ZECA PATAXÓrecebeu da própria Fundação Nacional do índio – FUNAI a portaria de número 163, datada de 15 de fevereiro de 2006, tecendo elogios pelos trabalhos realizados em prol da comunidade indígena sob a sua jurisdição;
Registra-se que à frente da Fundação Nacional do Índio – FUNAI, em Porto Seguro, ZECA PATAXÓ, obteve diversas conquistas para os povos indígenas da região, destacando-se: a liberação do território e o desempenho das obras dos 500 anos na aldeia Coroa Vermelha;
Pontua-se também que ZECA PATAXÓ é um indígena de destaque, sempre lutando em prol de sua comunidade e de todo o povo indígena da Bahia e do Brasil;
 
ZECA PATAXÓ foi oprimeiro índio do Estado da Bahia a assumir um órgão federal (a FUNAI), entre o período de 2003 a 2008. Em 2009, assumiu a secretaria extraordinária do Município de Santa Cruz Cabrália/BA. Em 2010, foi convidado a assumir uma assessoria parlamentar no gabinete do Senador João Durval Carneiro, transformando-se no 1º indígena do Brasil a ser assessor de um senador, permanecendo no cargo até 2012;
 
Atualmente, ZECA PATAXÓ ésecretário de Assuntos Indígenas do Município de Santa Cruz Cabrália/BA, tendo uma atuação frente à secretaria transparente e participativa.
 
O nome de ZECA PATAXÓ destaca-seem pesquisasrealizadas por jornais online e blogs da região, onde é apontado como favorito, se as eleições fossem hoje, podendo ser eleito para o cargo de VEREADOR em primeiro lugar, no Município de Santa Cruz Cabrália;
 
Visando manter a transparência com a sociedade e com a comunidade que sempre o apoiou, ZECA PATAXÓ vem a público mostrar que NADA deve ou tem a TEMER, que sempre foi uma pessoa íntegra e sempre honrou com TODOS os seus compromissos, bem como responde por todos os seus atos. Seguem abaixo as certidões em seu nome de NADA CONSTA: