Uma revolução extraordinária, a favor da população!’. A frase define a administração do governador Rui Costa (PT), observando que todos setores da economia do estado foram afetados, propositivamente, por ações do governo estadual. Exemplo desta extraordinária revolução pode ser verificada no setor da saúde. Através de consistente planejamento e execução eficaz, foi construída moderna rede hospitalar, implantada Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e clínicas para exames ambulatórias de alta, média e baixa complexidade.

A partir desta sexta-feira (17/11/2017), em Teixeira de Freitas, mais uma etapa da execução das ações de saúde é iniciada, com a inauguração de uma das 19 clínicas regionais, projetadas para atendimento especializado. Além deste conjunto de medidas, a BahiaFarma firmou convênio com empresas estrangeiras objetivando produção de medicamentos de alta qualidade, que atendam as maiores demandas da população, a exemplo da demanda por insulina.

Não obstante, o trabalho do governo Rui Costa tem sido alvo de sabotagem política. Neste aspecto, foi reiteradamente denunciado por parlamentares a perversa articulação promovida, contra os interesses do povo baiano, por ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador e neto do deado do Golpe Civil/Militar de 1964.

A perversão do articulador da assunção antirrepublicana de Michel Temer (PMDB/SP) ao poder central da República não tem limites. Cientistas Sociais identificaram que este momento histórico deve ser qualificado como o ‘Golpe Parlamentar de 2016’, representando retrocesso social, econômico, cultural, político, ético e institucional. Obtendo como resultado a reversão dos ganhos sociais das camadas menos favorecidas da população, formada por pessoas subordinados, superexplorados e que ocupam habitações subnormais. É sobre esta perspetiva sociológica que se materializa a ‘perversão’ dos usurpadores.

Na sequência do Golpe Parlamentar apoiado por ACM Neto, cuja presença do liderado, ministro Antonio Imbassahy (PSDB/BA), representa a inconteste materialidade da tomada do poder pelo grupo político derrotado nas eleições presidenciais de 2016, materializa-se o ‘Golpe’, que colocou no poder da República personalidades corruptas, identificada com a elite opressora, de uma nação secularmente vilipendiada.

‘Perversão’ é a palavra exata para expressar a atuação do alcaide ACM Neto. As reiteradas ações apolíticas do “anão”, cuja alcunha é documentada nas planilhas de propinas e citada por ex-executivos do Grupo Odebrecht, em colaboração premiada do Caso Lava Jato, não reduzem a capacidade de ação do governante Rui Costa, apenas, retarda o acesso aos benefícios que a população clama. Neste contexto, a deletéria ação de ACM Neto prejudica o sofrido povo da Bahia, e isto, também, não será esquecido.

Neste contexto, parte dos parlamentares do Bloco de Oposição, na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), liderados do “anão” das planilhas da Odebrecht e do presidiário ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB/BA), prom discursos com falsa aparência ética e pseudomoralidade. Porque, coniventes com a violência com a qual o povo da Bahia tem sido tratado pelo governo usurpador de Michel Temer, agem em concordância com a ação deletéria de ACM Neto, mantendo obsequioso silêncio.

É materialmente perceptível onde reside o mal, o retrocesso social, a violência, o desejo de poder e dinheiro, cuja finalidade é manter o povo alienado, subordinado, em permanente miséria social. É contra está perversão que atua de forma estoica o governador Rui Costa.

Os ganhos obtidos no setor da saúde representam uma pequena, mas, significativa parcela de uma revolução em curso, algo secularmente desejado pelo heroico povo do 2 de julho.