Na manhã de segunda-feira (26), caciques e lideranças indígenas de Coroa Vermelha e aldeias circunvizinhas, reuniram-se na Secretaria de Assuntos Indígenas em busca de estratégias para evitar a demolição do monumento “Marco do Descobrimento” que fica localizado na divisa Cabrália – Porto Seguro. Decidiu-se que na quinta-feira (01/03), a partir das 08h00 da manhã, sairá de aldeia Nova Coroa, a passeata “Diga NÃO à demolição”, rumo ao monumento “Marco do Descobrimento”.

 

Na semana passada a população foi pega de surpresa quando saiu à decisão judicial, na 1ª instância (Eunápolis), a favor da demolição do monumento inaugurado em 23 de julho de 2006, data em que se comemora o aniversário de Emancipação Política da cidade. O monumento foi um “presente” da Prefeitura Municipal de Santa Cruz Cabrália, na época, sob o comando do prefeito José Ubaldino Alves Pinto – Bahiano, à comunidade Indígena.

O monumento, construído na área indígena, teve a aprovação e liberação da Fundação Nacional do Índio - Funai. A prefeitura municipal e a Funai entraram com recurso para reverter a atual decisão. O local tornou-se um dos pontos turísticos mais apreciados e fotografados por moradores e visitantes.

Caciques e lideranças de aldeias do município reuniram-se em busca de estratégias à preservação do monumento que é uma Réplica da Primeira Missa celebrada no Brasil localizado nas terras indígenas (demarcadas e homologadas) de Coroa Vermelha.

Dessa reunião, ficou decidida, como forma de protesto em desfavor da decisão proferida pela Justiça Federal, a realização da caminhada “Diga NÃO à demolição”. A manifestação é um direito constitucionalmente assegurado, conforme preceitua a Constituição da República Federativa do Brasil em seu artigo 5º, XVI:

“Todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra

reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente”.

 

“Na oportunidade, convidamos todos os moradores da cidade de Santa Cruz Cabrália e região, turistas, estudantes, comerciantes, jovens e adultos que se juntem a nós nesta passeata, para que nossa luta em proteger o monumento seja vitoriosa. Juntos somos mais fortes,” conclui Zeca Pataxó, Secretário de Assuntos Indígenas.